A ideia de reciclar da RECICLI é agregar valor aos resíduos sólidos, popularmente conhecidos como “lixo”.

E por quê colocamos a palavra “lixo” entre aspas ?

Porque “lixo” na verdade não existe… O seu corpo físico é composto por matéria que no passado estava no interior de estrelas. Matéria que elas lançaram pelo espaço sem utilidades  para elas, e que seria “lixo”, algo inútil para essas estrelas. Mas matéria é um nome que damos ao conjunto de átomos, que se juntam para formas moléculas, que fazem substâncias, as quais compõe suas células, seus aminoácidos, seu DNA, seu sangue e todos os outros tecidos de seu corpo. Você pode nunca ter parado para pensar nisso, ou se já pensou, acompanha o raciocínio aqui: cada um de seus átomos possui características que fazem com que tenha propriedades específicas, e, em química, definimos essas propriedades quando dizemos que é um átomo de um certo elemento.

Mas a maioria dos elementos, com exceção do hidrogênio e do hélio, todos os outros átomos de todos os outros elementos químicos que compõe os seus tecidos foram fabricados no interior de estrelas do passado, que chegaram ao fim da vida e explodiram espalhando “LIXO” pelo Universo.

Nesse “lixo” vindo das estrelas estavam seus átomos de carbono, potássio, sódio, oxigênio que formou a água (junto com o hidrogênio) que gerou a água que compõe 90 % (aproximadamente) de seu corpo material.

Ou seja: o que era “lixo”, e aqui vamos mudar esse nome… o que era resíduo sólido para aquelas estrelas é algo não só útil, mas fundamental para a nossa existência.

Veja: “lixo” não existe. A matéria que existe, sem utilidade para algum processo na Natureza é resíduo, que será útil e, muitas vezes, fundamental, para outros processos ou seres vivos na Natureza. incluindo eu e você.

Lixo não existe, não dá para jogar alguma coisa fora. Porque no Universo, fora não existe. Nem na Terra… tudo que jogamos em sacos de plástico, ou botamos na lixeira, vai ser recolhido pela caminhão do “lixo” e levado para um aterro sanitário (muitas vezes para um lixão), e fica lá, aterrado embaixo de uma camada de terra, sem utilidade, mas que poderia ser útil para alguém ou alguma coisa, ou para outros seres vivos.

Também não dá para “jogar fora” da Terra… para isso só com um foguete espacial e isso é muito caro. OU SEJA: fora não existe… mesmo na Terra é tudo uma coisa só. Somos dependentes e interdependentes da Natureza.

Quando jogamos coisas, garrafas de vidro, sacos de plástico onde estava comida, papelão da embalagem de uma compra, no mato, no rio, na praia, seja onde for, estamos lançando na Natureza coisas feitas de matéria ou substâncias) complexas que as bactérias, formigas, fungos e outros seres vivos naturais não têm capacidade de digerir, de transformar em substâncias simples, que é como a Natureza recicla as coisas.

Assim, os plásticos podem ficar por décadas sendo triturados, mas não se decompondo, nos rios e oceanos, por exemplo. Os vidros podem ficar, quebrados e em caquinhos, sendo vidros, por 600.000 a 1.000.000 de anos antes de serem moídos o suficiente para se desagregarem as moléculas de corantes e outras substâncias como barrilha (carbonato de cálcio, ou CaCO3), do dióxido de silício (SiO2), que os compõe, resultando em areia, e material para formação carapaças por conchas.

Para fazer com que os resíduos sólidos se transformem e deixem de poluir ou contaminar a Natureza é preciso transformá-los. E já que os decompositores e processos de intempéries (vento, chuva, calor, atrito mecânico) naturais não têm essa capacidade de transformação da maioria dos materiais que formam nossos resíduos sólidos, é preciso transformar esses resíduos através de processos artificiais, de manufatura ou industrias, que, a partir desses resíduos permita obter matérias-primas, substâncias mais simples e úteis para outros processos industriais, produtos fabricados a partir desses resíduos, e obtenção de benefícios, coisas úteis, produtos, que melhorem a vida das pessoas e reduzam o impacto ambiental negativo de nossas presença (humanos) na Terra.

É o que chamamos de RECICLAGEM.

Para nós da RECICLI a reciclagem é isso: obter a partir do “lixo”, ou seja, dos resíduos sólidos, as matérias primas úteis para outras indústrias, os insumos ou semi-produtos para agregar valor a outros processos industriais, produtos úteis para as pessoas e para setores da economia.

Reciclar é agregar valor, evitando poluição e contaminação à Natureza, impedindo danos a ecossistemas, reduzindo custos e valorizando pessoas, enquanto preserva o meio ambiente. É dar novamente utilidade ao que “se joga fora”, ou ao que é chamado “lixo”, e com ele fabricando novos produtos e bens úteis. Reciclagem é uma pós-triagem. Valoriza o trabalho das pessoas e agrega sustentabilidade à indústria e negócios. Reciclagem é agregar valor, obtendo insumos, fabricando bens e utilidades, a menores custos. Inclui pré-processamento, processamento / transformação em matérias-primas e  produtos reciclados, embalagem, distribuição, vendas. Engloba tecnologias inovadoras em um negócio projetado para a Sustentabilidade Ambiental, gerenciado à luz de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Realiza alta lucratividade e rentabilidade !